Grupo de Jovens Católicos Luz do Mundo

São Gabriel - RS

Início

Cristo Ressuscitado

Cristo Vive!

O Ressuscitado vive entre nós

 

 Bote Fé SM

Saudade da Jornada Mundial da Juventude?

Que tal recordar um pouco desse momento de Fé, veja as fotos do Bote Fé.

 

Papa

 "Orai sem cessar." (1Ts 5, 17) 

Muitos pensam que rezar é uma tarefa árdua e exige muito tempo. Entretanto não se deve pensar que para estar em oração seja necessário estar de joelhos diante da Cruz em uma Igreja, embora isso seja necessário, mas também é possível rezar a Deus e cumprir o versículo “Orai sem Cessar(1Ts 5, 17) fazendo as tarefas diárias, seja trabalhando, seja fazendo uma caminhada, ou qualquer outro tipo de atividade, ou seja, é possível rezar e ao mesmo tempo em que se faz as tarefas diárias, permanecendo, dessa forma, o dia inteiro em comunhão com Deus, porque pensar n’Ele já é um estado de Oração. Deve-se sim resguardar-se um tempo dos afazeres diários para realizar uma Oração profunda com o nosso Criador, mas isso não impede também que se realize durante o dia uma oração, um canto de louvor, ouvir a uma pregação, pois nessa vida tem-se como missão "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos". (C.f Mc 12, 30-31). Por isso agradeça a Deus e reze a Ele incessantemente, pois nada nessa vida supera a Comunhão com o nosso Criador.

10 de fevereiro de 2015

Equipe Luz do Mundo

 

 

A vida e a Dor

A entrada de sua tenda, em Canaã, um ancião contemplava o céu, à noite, com sua esposa, também de idade avançada. Deus lhes havia prometido uma descendência mais numerosa que as estrelas (cf. Gn 15, 5), das quais apenas uma pequena parte aparecia diante dos seus olhos. E a promessa começava a ser cumprida: a idosa senhora dera milagrosamente à luz o filhinho que os acompanhava e dava, naqueles dias, seus primeiros passos.

Tendo Isaac crescido, Deus pede a Abraão o inimaginável: que Lhe oferecesse como vítima em sacrifício esse herdeiro da promessa! Sem hesitar nem perder a serenidade, contendo a dor, o ancião patriarca se dispõe a executar a ordem divina… Só no último momento surge um Anjo para segurar o braço do sacrificador (cf. Gn 22, 10‑12)!

Ora, Abraão era amigo de Deus… Como entender que Deus trate assim os seus?

* * *

“A vida do homem sobre a Terra é uma luta” (Jó 7, 1), disse Jó.

Com efeito, o pecado original estabeleceu o sofrimento como regra da existência terrena (cf. Gn 3, 17‑19) e, desde então, a única forma de vencer nessa luta é saber impostar a própria alma frente à dor. Quem compreende ser esta inerente à nossa condição humana e a aceita com espírito sobrenatural, vive com calma, alegria e bom humor; quem, pelo contrário, procura fugir de qualquer padecimento, é permanentemente atormentado pela mera perspectiva de vir a sofrer.

O homem de fé encontra na dor o pleno significado de sua existência, pois a vida humana se assemelha a certas flores, que só dão o melhor do seu perfume quando esmagadas; ou ao trigo, que precisa ser moído para se transformar em pão; ou ainda à semente lançada na terra para assim frutificar.

Enquanto uma pessoa não enfrenta a provação, ela é uma incógnita; pode suscitar esperanças, jamais certezas. Só após ter enfrentado e vencido o sofrimento, mostra seu verdadeiro valor. Porque em todos os aspectos de nossa existência, a dor é a condição e o preço da vitória. Em certas circunstâncias, até para o mais perfeito dos homens, faltam as forças naturais. Necessita ele, portanto, de um auxílio sobrenatural, com o qual pode tudo (cf. Fl 4, 13). Para não ser um derrotado, ele precisa rezar e alimentar- se com o Pão dos fortes: a Sagrada Eucaristia.

Quem compreende quanto é natural sofrer, pode até gemer, e pedir a Deus que afaste a dor, mas se aclimata a ela como no seu ambiente próprio. O sofrimento bem aceito dá esta alegria, esta serenidade que os antigos chamavam consolação, em meio a uma nobre tristeza.

* * *

Imaginemos agora Abraão e Isaac, voltando engrandecidos da terrível provação, depois de tão belo ato de obediência que transformara sua angústia em alegria e gratidão. Além da promessa reconfirmada, eles trazem na alma nova plenitude de bênçãos e penhores da amizade divina (cf. Gn 22, 16‑18). E, chegada a noite, Sara e eles contemplam o céu, para novamente contar as estrelas...

Texto retirado da revista Arautos do Evangelho. Edição 158 de Fevereiro 2015.

10 de fevereiro de 2015

Equipe Luz do Mundo

CIC

Leia o Catecismo da Igreja!

Não há desculpas para aqueles que dizem que não tem como estudar os documentos da Igreja por falta de dinheiro ou tempo, existe uma série de documentos da Igreja Católica disponibilizados no site do Vaticano, dentre eles o Catecismo. Esse deve se tornar nosso livro de cabeceira para que possamos aprender e defender verdadeiramente nossa fé na única Igreja de Cristo, porque assim como diz Santo Agostinho: “Só se ama aquilo que se conhece” e a Bíblia nos revela que devemos “Estar sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança." (C.f I Pd 3,15) primeiramente creiamos e logo entendemos a razão da nossa fé, pois "só em Deus repousa a minha alma, é dele que me vem o que eu espero." (C.f Sl 61, 6) Fique na paz de nosso Senhor Jesus Cristo. 

            Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015.

Equipe Luz do Mundo

Maria Santíssima

 Vamos Rezar o Santo Terço? Aprenda como!

 

Agnus Dei

A Igreja

Um breve comentário

                     A Igreja é Una, Santa, Católica, Apostólica e Romana, Una porque é uma só, Santa porque vem de Deus, Católica porque é universal, Apostólica, pois seu início se deveu na época dos Apóstolos e Romana porque sua sede é em Roma, na Itália. A Igreja foi fundada por Jesus Cristo sobre Pedro quando ele revela na passagem Bíblica: “Por isso, eu te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la.” (MT 16, 18). A Igreja Católica desde o seu início na era dos Apóstolos, até os dias de hoje sempre manteve a sua essência primeira, com o passar dos anos ela teve atualizações, através dos Concílios Ecumênicos, mas nunca foi dito que estava errada, ou que o passado deve ser esquecido, pois a Igreja não é uma obra humana, mas sim Divina.

                  O Santo Padre, o Papa, é Bispo de Roma e sucessor de Pedro, o primeiro Papa sobre o qual foi fundada a Igreja. Os Bispos são os sucessores dos Apóstolos e possuem os Padres como seus auxiliares. O Diácono é o Ministro Ordinário da Palavra de Deus, não podendo celebrar a Eucaristia, somente Bispos e Padres podem celebrar este Sacramento. A Igreja possui sete Sacramentos instituídos por Jesus Cristo, são eles: Batismo, Confirmação, Eucaristia, Penitência, Unção dos enfermos, Ordem e Matrimônio.

                   Com aproximadamente dois mil anos de existência, a Igreja possui a Bíblia Sagrada, que é a Palavra de Deus, a Tradição e o Magistério, estas fontes existem para que haja dentro da Fé Cristã Católica a estabilidade, pois elas se complementam. A Bíblia Católica possui setenta e dois livros, dentre eles: Tobias, Judite, Sabedoria, Baruc, Eclesiástico (ou Sirácida), 1 e 2 Macabeus, Também Ester 10,4-16, e o versículos de 24 a 90 do Capítulo 3 de Daniel, que se ausenta na bíblia protestante. A Bíblia foi escrita por diversas pessoas sob a inspiração do Espírito Santo, pela Fé acreditamos que a Bíblia é a Palavra de Deus, Deus utilizou da mão humana para transcrever as suas palavras em diversos pergaminhos que ao longo do tempo foram reunidos em único volume que hoje podemos ter em casa, no qual chamamos de Bíblia Sagrada, este livro não pode ser considerado um livro de história, geografia ou ciência, o seu objetivo é transmitir a Palavra de Deus a todos os povos, assim como aqueles que viveram no tempo dos Profetas, Apóstolos e até mesmo de Jesus Cristo. 

                   A Bíblia possui duas formas de interpretação, a Leitura fundamentalista e a Literal. A leitura fundamentalista da Sagrada Escritura interpreta tal como está escrito, linha por linha, sem retirar ou acrescentar nada ao que está escrito, porém esta leitura limita a visão humana, pois não devemos esquecer que quem emprestou a mão a Deus foram pessoas, então é claro que algo deixou de ser escrito ou foi escrito fora de ordem, ainda há pessoas que pensam que do céu desceu a Bíblia pronta e impressa, por essa falsa ideia, é mais usual o estudo da Palavra no sentido Literal ou Hermenêutico da Sagrada Escritura, que parte do princípio do que está escrito para aquilo que a Tradição e o Magistério da Igreja ensinam, ou seja, ir além da palavra escrita, adentrar as entre linhas da Escritura, obter conhecimento através do conhecimento histórico, da tradição, daquilo que pensadores da Igreja escreveram sobre tudo o que se sabe até hoje, constituindo o Magistério da Igreja. O pensamento literal nos permite viajar além da escrita e interpretar com Fé, pois só podemos compreender as Leituras Sagradas sob a ação daquele que a inspirou, o Espírito Santo.

                   A Tradição da Igreja Católica é o que não está escrito na Bíblia, mas foi transmitido oralmente através dos séculos, um exemplo é Verônica que segundo a Tradição enxugou o rosto de Jesus quando Ele estava indo em direção ao calvário para sua Crucificação e morte. Portanto a Tradição tem por finalidade nos aproximar de Deus como aqueles que viveram junto a Jesus no primeiro século. Somente a Igreja Católica possui uma tradição que começa no tempo dos Apóstolos, na sua fundação, pois é a única e verdadeira Igreja de Cristo.

                   O Magistério da Igreja concentra a verdadeira forma de compreender a Fé, onde se encontra o que ensina a Igreja, o Catecismo da Igreja Católica revela qual o sentido que devemos dar a vários acontecimentos sobre a vida, sobre a nossa existência, todo o Cristão deve seguir o que diz o Magistério da Igreja Católica. Afirma a Igreja que não somente na Escritura se baseia a Fé, mas da Tradição e do Magistério que também foram inspirados por Deus e são fontes seguras para compreender mais a Fé e se aproximar mais do Criador.

                   As Igrejas do mundo todo devem estar em comunhão com a Santa Sé e com o Santo Padre, o Papa, não podendo se desviar daquilo que manda a Santa Mãe Igreja, o seu Magistério, a sua Tradição.

            A língua oficial da Igreja Católica Apostólica Romana é o Latim, portanto pode-se ser utilizada a língua vernácula conforme a Constituição Sacrossanctum Concilium nº 36 e 54 que diz:

36. § 1. Deve conservar-se o uso do latim nos ritos latinos, salvo o direito particular.

§ 2. Dado, porém, que não raramente o uso da língua vulgar pode revestir-se de grande utilidade para o povo, quer na administração dos sacramentos, quer em outras partes da Liturgia, poderá conceder-se à língua vernácula lugar mais amplo, especialmente nas leituras e admonições, em algumas orações e cantos, segundo as normas estabelecidas para cada caso nos capítulos seguintes.

§ 3. Observando estas normas, pertence à competente autoridade eclesiástica territorial, a que se refere o artigo 22 § 2, consultados, se for o caso, os Bispos das regiões limítrofes da mesma língua, decidir acerca do uso e extensão da língua vernácula. Tais decisões deverão ser aprovadas ou confirmadas pela Sé Apostólica.

§ 4. A tradução do texto latino em língua vulgar para uso na Liturgia deve ser aprovada pela autoridade eclesiástica territorial competente, acima mencionada.

 54. A língua vernácula pode dar-se, nas missas celebradas com o povo, um lugar conveniente, sobretudo nas leituras e na «oração comum» e, segundo as diversas circunstâncias dos lugares, nas partes que pertencem ao povo, conforme o estabelecido no art. 36 desta Constituição.

Tomem-se providências para que os fiéis possam rezar ou cantar, mesmo em latim, as partes do Ordinário da missa que lhes competem.

Se algures parecer oportuno um uso mais amplo do vernáculo na missa, observe-se o que fica determinado no art. 40 desta Constituição.

                   A partir do ano 300 d. C., a língua oficial da Igreja se tornou o Latim, pois até então não se tinha uma unidade, era um tempo de perseguição, a Igreja não podia aparecer diretamente em público, era o tempo da celebração nas catacumbas, porém no ano de 313 d. C. o Imperador Constantino outorgou a liberdade religiosa pelo Edito de Milão e em 380 d. C., quando o Imperador Teodósio se converteu ao Cristianismo e foi batizado, uns dez anos depois, o Cristianismo tornou-se a Religião oficial de Roma, enfim a Igreja Católica pode se mostrar ao mundo sem ser oprimida.

                   Além do tempo que a Igreja utiliza a língua latina, o motivo pela conservação também é a tradução, pois quando se traduz um texto original muitas vezes perde-se a essência, ou contradiz o que está escrito, pois no Latim uma palavra tem um significado, porém em outras línguas uma única palavra pode ter vários significados e conceitos, nesse sentido de conservar o latim a Igreja está correta, pois é a prova de uma obra instituída por Cristo, tem dois mil anos aproximadamente, por isso tem uma Tradição, um Magistério, uma coerência.

                   A Igreja tem um caráter Santo e pecador, é Santa porque foi instituída por Deus e pecadora, pois seus membros são pessoas humanas. O Cristo é a cabeça, a Igreja é o Corpo e nós somos os membros, “²²Deus pôs tudo debaixo de seus pés e o constituiu acima de tudo, como cabeça da Igreja, ²³que é seu Corpo, a plenitude daquele que se plenifica em todas as coisas.” (Ef. 1, 22-23).

                   A Celebração da Santa Missa é o ponto central de toda a Fé Cristã, é através dela que escutamos a Palavra de Deus e celebramos a Eucaristia que é ápice e base da Fé Cristã Católica, todos os Cristãos devem participar, pois é o ponto máximo de toda a Igreja, é através dela que nos alimentamos tanto da Palavra quanto do próprio Corpo e Sangue de Cristo. A Santa Missa só pode ser Celebrada pelo Bispo ou pelo Padre, na ausência destes a partir do Concílio Vaticano II, a Igreja autorizou a Celebração da Palavra a Diáconos e Leigos, que são chamados Ministros Extraordinários da Eucaristia que podem distribuir o Corpo de Cristo, porém não podem consagrá-lo, a Celebração da Palavra não pode substituir a Santa Missa, somente em casos extremos de deslocação. A Missa é uma só, é única, indivisível, só acontece quando celebrada a Palavra e a Eucaristia.

Por: Luciano Vernieri      

JMJ

 Oração da JMJ Cracóvia 2016

“Deus, Pai misericordioso que revelastes o Vosso amor no Vosso Filho Jesus Cristo e o derramastes sobre nós no Espírito Santo Consolador, confiamos a Vós hoje o destino do mundo e de cada homem.” Pai Celestial, concedei que possamos dar testemunho de Vossa misericórdia. Ensina-nos a transmitir a fé aos que estão em dúvida, a esperança aos que estão desanimados, o amor aos que se sentem indiferentes, o perdão aos que erraram e a alegria aos que estão descontentes. Permiti que a centelha do Vosso amor misericordioso acesa em nós torne-se fogo que transforma corações e renova a face da terra. 

Maria, Mãe de misericórdia, rogai por nós. São João Paulo II, rogai por nós.

 

 

 "Orai sem cessar." (1Ts 5, 17)

Rezemos pelo Papa, pela Igreja, pelo Clero, pelos religiosos e religiosas, por todos os fiés e todos aqueles que não estão em comunhão a Santa Igreja de Cristo.

 

Papa

Rezemos pelo Santo Padre, o Papa Francisco. 

 

Filme sobre a Santa Missa vale a pena assistir, pois remonta verdadeiramente o que acontece durante a Celebração da Santa Missa.



Jesus Orando

"Deus está a uma Oração de distância."

 Falar com Deus é como conversar com um amigo, não precisamos ser grandes místicos da Oração para poder contemplar à Deus, basta-nos chegar diante dele e dizer: Meu Deus não sei rezar, me ensine como fazer a Oração. Certamente no momento em que estamos diante dEle, Ele mesmo nos concede por meio da Graça as palavras da nossa Oração, os meios para chegar até Ele de forma verdadeira, se não consegues falar nada para Deus apenas pense nEle, em tudo o que Ele fez e faz por você e por mim, pois pensar em Deus já é Oração.

Por: Luciano Vernieri

 

topo